EXTINÇÃO GRADATIVA DO CANIL MUNICIPAL

Ligado .

Em janeiro de 2017, a secretaria de agricultura e meio ambiente iniciou o acompanhamento e controle dos animais que se encontravam Canil Municipal e iniciou o processo de regime de transição para posterior extinção do canil (Lei 2026/2017), baseado nos fatos acima apresentados.

Compreende-se regime de transição o período em que o canil funcionará mantendo apenas os animais que estão abrigados no mesmo, até que sejam doados ou deixem de existir naturalmente. Os animais que lá se encontram serão mantidos de forma adequada, melhorando as questões de saúde e bem estar animal destes animais.

Em substituição a política de abrigo através do canil, o Município adotará um programa de controle da população canina e felina na cidade de Rebouças, atuando na raiz do problema, com base em castração e conscientização em relação a guarda responsável e prevenção do abandono de animais.

O objetivo é após o andamento desta primeira etapa dos trabalhos, desenvolvermos um programa de Cão Comunitário: Cachorros que sejam adotados por grupos específicos de pessoas, que têm a responsabilidade de cuidar de um ou mais animais, sem necessariamente levá-los para casa.

Essas pessoas precisam oferecer todas as condições para que os animais tenham uma vida saudável, sendo que os animais serão castrados, vacinados e identificados, normatizando o cuidado dos animais de rua. Os animais serão realocados em uma estrutura na localidade de Cachoeira dos Domingues, melhor e mais adequada a quantidade de animais, para que possam ser contidos em baias com menor densidade de cães por m². O chão será de piso para que possa ser realizada a devida limpeza e desinfecção do ambiente e com alambrados que os contenham adequadamente. O local onde se encontram no momento não dispõe de estrutura adequada para impedir a fuga dos animais, uma vez que a tela fica ao nível do chão, possibilitando que os animais façam buracos na terra e na própria tela. Isto dificulta a contenção dos animais nas limitações do canil, inclusive dificultando o tratamento de alguns animais que não permitem a aproximação e acabam fugindo e se escondendo na mata ao redor. E temos notícia que alguns animais, acabam caminhando até a cidade e depois de alguns dias retornam para o local. 

Os animais que neste local permanecem, são movidos somente pela dependência e vínculo com o local, uma vez que não é possível conte-los adequadamente nestas condições. Também temos problemas com brigas entre os animais, pela alta densidade, devido ao stress e disputa territorial. Foi realizado limpeza e desinfecção e controle de roedores do local com auxílio do bombeiro municipal. Foram confeccionados comedouros com canos de PVC para melhorar o manejo e reduzir o desperdício da ração. No momento eles dispõe de alimentação em quantidade suficiente a base de ração, e água trocada diariamente estando sempre fresca. No período de Janeiro a Abril de 2017, foram realizados diversos tratamentos necessários aos animais de forma urgente e realizados com dificuldades, pois até então não haviam disponíveis medicamentos e materiais destinados a este fim, uma vez que a aquisição depende de processos licitatórios burocráticos. O processo de compra foi finalizado neste mês abril e os mesmo estarão disponíveis a partir do mês de maio. Neste período também foram identificadas algumas fêmeas que não estavam castradas.

A identificação se deu através da observação do comportamento de cio. Estas cadelas foram encaminhadas para castração em clínica terceirizada, selecionada por processo licitatório na gestão anterior. Também neste mês de março iniciaram os trabalhos de castração de animais de rua – fêmeas e serão levadas para o procedimento todas as fêmeas que se encontrarem em via pública e que não possuam dono ou responsável.

Neste ano, até o momento foram realizados via secretaria de meio ambiente a castração em 30 animais e este trabalho será continuado de forma intensa e posteriormente serão estendidas as castrações e as orientações em relação a guarda responsável, para a população de baixa renda que desejar esterilizar seus animais.

Atenciosamente, Luciane Rodrigues Cardoso Herthel Médica Veterinária Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente